Texto extraído da prova do Enem 2012 QUESTÃO 125

04/10/2013 09:17

A marcha galopante das tecnologias teve por primeiro

resultado multiplicar em enormes proporções tanto a

massa das notícias que circulam quanto as ocasiões de

sermos solicitados por elas. Os profissionais têm tendência

a considerar esta inflação como automaticamente

favorável ao público, pois dela tiram proveito e tornamse obcecados pela imagem liberal do grande mercado

em que cada um, dotado de luzes por definição iguais,

pode fazer sua escolha em toda liberdade. Isso jamais

foi realizado e tende a nunca ser. Na verdade, os leitores,

ouvintes, telespectadores, mesmo se se abandonam a sua

bulimia*, não são realmente nutridos por esta indigesta

sopa de informações e sua busca finaliza em frustração.

Cada vez mais frequentemente, até, eles ressentem

esse bombardeio de riquezas falsas como agressivo e se

refugiam na resistência a toda ou qualquer informação.

O verdadeiro problema das sociedades pósindustriais não é a penúria**, mas a abundância. As

sociedades modernas têm a sua disposição muito mais

do que necessitam em objetos, informações e contatos.

Ou, mais exatamente, disso resulta uma desarmonia

entre uma oferta, não excessiva, mas incoerente, e uma

demanda que, confusamente, exige uma escolha muito

mais rápida a absorver. Por isso os órgãos de informação

devem escolher, uma vez que o homem contemporâneo

apressado, estressado, desorientado busca uma linha

diretriz, uma classificação mais clara, um condensado do

que é realmente importante.

(*) fome excessiva, desejo descontrolado.

(**) miséria, pobreza.

VOYENNE, B. Informação hoje. Lisboa: Armand Colin, 1975 (adaptado).

Fonte: https://download.inep.gov.br/educacao_basica/enem/provas/2012/caderno_enem2012_dom_azul.pdf