Cérebro em abstinência

18/10/2013 10:32

Pesquisadores identificam alteração cerebral durante crise de privação de álcool. A descoberta pode auxiliar no desenvolvimento de terapias para amenizar a síndrome de abstinência.

Por: Mariana Rocha

A síndrome de abstinência alcoólica causa ansiedade, irritabilidade e tremores e está associada ao aumento de receptores canabinoides, os mesmos que interagem com o composto responsável pelos efeitos da maconha. (foto: Daniel Bobadilla – CC BY-NC-SA 2.0)

Ansiedade, irritabilidade e tremores. A síndrome de abstinência de álcool é um desafio para os dependentes que querem se livrar da substância. Em estudo com camundongos, pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) identificaram mudanças na bioquímica cerebral que podem auxiliar no desenvolvimento de terapias para amenizar a síndrome.

Durante 21 dias, a equipe aplicou injeções diárias de álcool nos roedores e selecionou aqueles que, nesse período, apresentaram atividade locomotora aumentada. “O aumento da locomoção é típica de animais mais sensíveis ao álcool e que provavelmente apresentarão os sintomas de abstinência ao serem privados do seu consumo”, explica o biomédico Renato Filev, coautor do estudo.

Os cérebros dos roedores em abstinência tiveram um aumento de receptores canabinoides tipo 1, responsáveis pela modulação de vários tipos de sinapses

Após a última injeção de álcool, os animais permaneceram cinco dias privados da substância. Os cérebros dos roedores em abstinência, quando comparados aos de um grupo de camundongos que se mostraram resistentes ao efeito sensibilizador do álcool e também dos animais que nunca consumiram a droga, tiveram um aumento de receptores canabinoides tipo 1 (CB1). Responsáveis pela modulação de vários tipos de sinapses, esses receptores se ligam aos endocanabinoides, substâncias produzidas pelo corpo humano. Os receptores interagem ainda com o tetrahidrocanabinol (THC), composto responsável pelos efeitos da maconha.

Para confirmar a relação entre abstinência de álcool e o sistema canabinoide, a equipe voltou a injetar etanol nos camundongos logo após o período de privação. “Uma nova dose da droga normalizou os níveis de receptor canabinoide, o que nos leva a crer que esse sistema está intimamente ligado aos efeitos apresentados durante a abstinência”, acrescenta Filev.

Custo-benefício

Embora a pesquisa mostre claramente uma relação entre o aumento de receptores canabinoides e a síndrome de abstinência alcoólica, ainda não é possível saber se o sistema endocanabinoide é responsável por seus sintomas. “Não sabemos se o aumento desses receptores no cérebro provoca os efeitos da abstinência ou se esse aumento ocorre justamente para conter os efeitos deletérios da ausência do álcool no organismo”, explica o biomédico.

Filev destaca que, devido à importância do sistema endocanabinoide na modulação de ligações entre neurônios, novos estudos precisam ser feitos para compreender se esse sistema deve ser inibido ou estimulado durante a abstinência. “Existem pesquisas que apontam, por exemplo, para o uso da maconha como possível substituto para os alcoolistas”, diz. “Utilizar uma substância sabidamente menos nociva que o álcool, mesmo que provoque efeitos colaterais, alinha-se às estratégias de redução de danos para as drogas.”

que, se o aumento na expressão de CB1 atuar nos efeitos nocivos da privação do álcool, a própria maconha poderia servir como terapia. “Vejo a chance de o indivíduo se tornar dependente da maconha com um risco menor em comparação aos danos muito mais deletérios provocados pelo abuso do álcool”, opina. “Claro que, ao ingressar nessa terapia, é preciso um acompanhamento dos efeitos colaterais e um controle do possível abuso do medicamento.”

Álcool e outras drogas

A farmacologista Rosana Camarini, da Universidade de São Paulo (USP), especialista em dependência de drogas, tem uma visão “mais cautelosa”. Camarini lembra que pesquisas desenvolvidas na última década mostram que o sistema endocanabinoide pode ter influência na dependência de álcool. “O rimonabant, por exemplo, uma substância que bloqueia receptores canabinoides tipo 1 (CB1), diminui o consumo de álcool em alguns modelos animais, enquanto a ativação desses receptores promove a necessidade de ingestão de álcool”, explica.

Camarini acrescenta que, ainda que adaptações do sistema endocanabinoide possam balancear os efeitos da abstinência de álcool, essa relação é pouco específica. “Alguns estudos sugerem que fármacos capazes de bloquear o CB1 também reduzem o consumo de substâncias naturais que podem causar compulsão, como açúcar e chocolate, e de outras drogas de abuso, como nicotina, cocaína e heroína”, completa.

Mariana Rocha
Especial para Ciência Hoje/ RJ

Fonte: https://cienciahoje.uol.com.br/revista-ch/2013/307/cerebro-em-abstinencia

Saiba Mais:  
PRÓSTATA Enfermagem  carboidratos  

 

 

Geografia

Agentes Modeladores do Relevo

02/12/2013 12:19
O tectonismo, também conhecido por diastrofismo, consiste em movimentos decorrentes de pressões vindas do interior da Terra, agindo na crosta terrestre. Quando as pressões são verticais, os blocos continentais sofrem levantamentos, abaixamentos ou sofrem fraturas ou falhas. Quando as pressões são...
Leia mais

A criação do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro

27/11/2013 11:18
Em 1838, a historiografia brasileira ganhou uma nova página de sua trajetória quando, naquele ano, foi feita a inauguração do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro, na data de dois de outubro. Formada com o apoio do brigadeiro Raimundo de Cunha Mattos e do cônego Januário da Cunha Barbosa, tal...
Leia mais

GEOGRAFIA ECONÔMICA

22/10/2013 12:30
A Geografia Econômica é o estudo da diversidade de condições econômicas sobre a Terra. A economia de uma área geográfica pode ser influenciada pelo clima, pela geologia, Geografia Econômica e também pelos fatores político-sociais. Os estudiosos em geografia econômica têm por foco os...
Leia mais